sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Se eu morresse aos 16.

Hoje acordei pensando em quantas vezes quero desistir de tudo e em alguém que me perguntou "não há nada que te faça querer viver?". A pergunta, no meu sonho, foi seguida de um grande silêncio mais uma maré de pensamentos de pessoas e coisas e eu me senti mal porque estou mesmo estragando tudo.
É claro que existem motivos, eu sei que existem, mas não os sinto, não os sinto suficientemente fortes. Eu vivo perdendo tudo, vivo saindo dos trilhos, desgovernada, atropelando e destruindo tudo, sinto minha vida se esvaindo, quando na verdade todas as esperanças estão acesas, quando ainda tenho amores que me esperam chegar, ansiosos, na rodoviária, quando ainda me dedicam abraços sinceros mesmo eu os negando,  quando recebo mensagens dizendo "não morra, eu te amo e estou aqui", eu não tenho razão pra desistir, não tenho razão pra querer tanto desistir, meu deus, eu sei que não tenho, então por quê?
Vejo teus olhos que me sorriem cada vez mais largo e agora eu começo a enxergar tuas cores, você me parece como o nascer vagaroso do sol em dia nublado, vem chegando devagarzinho e de repente está lá ocupando todo o céu e iluminando tudo, impunemente, mas eu estou assustada, a luz machuca meus olhos, existe melhora? Eu quero te olhar e pensar o quanto eu amo teus olhos verdes, quero esquentar teu corpo e fazer um natal com lasanha de pastel de suflê de abacaxi, você quer me fazer feliz - você já está fazendo, e eu só sei me perguntar: eu posso ser feliz? Quero te fazer bem, eu quero, quero não estragar tudo simplesmente por ser assim, eu preciso conseguir, vou tentar de novo, vou tentar e tentar e tentar e tentar, eu quero. Eu quero.

"Obrigada por estar viva", você disse.

... Obrigada por despertar a vida em mim.

Um comentário:

  1. Viva e ame Rebecca vai ser uma grande experiência, sorte.

    ResponderExcluir