sábado, 1 de fevereiro de 2014

Sobre as coisas que costumavam ser

Tudo anda tão igual, de modo tão diferente.
Te vejo aí, tão parado, sem graça como sempre foi.
Era tão engraçado.
Te vejo aí, quietinho, pensando.
Viajante de lugar nenhum.
Sem acompanhante.
Me aproximo de ti e estou tão longe.
Já não somos os mesmos.
Somos iguais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário