domingo, 20 de outubro de 2013

Gostaria que pudesse entender a dor que carrego no peito.
Não por egoísmo, queria que pudesse entender sem sentir, mas não me parece possível.
Vira e mexe eu perco tudo, toda essa certeza e auto afirmação que exalo - e na verdade não tenho. Tudo sai do lugar, a visão embaça e eu retorno à confusão - de onde nunca saí.
Não sei o que te dizer, não sei como agir; não quero te machucar. Não quero me machucar. Não quero machucar a gente.
Sei que te arranco o sono. Sei que não tem paciência e acha infantilidade. Sei que não entende. E é por isso que bato o joelho na cama todos os dias.
E é por isso que choro. É por isso que digo que minha vida inteira é uma dor.
E você acha que não me importo. Que faço por mal. Mal sabe que sofro. Sofro por não saber não ser o que sou.
Eu queria mudar. Queria ser diferente. Queria não ser. Entende?
Como eu, logo eu, poderia fazer bem pra você? Não poderia. Não posso. Mas queria.
E tentar me machuca. Te ilude e me machuca. Porque eu sei que no fim, nada muda.
E embora você faça tudo parecer uma manhã de natal, aqui dentro é frio e vazio.
De qualquer forma, eu só queria que soubesse que eu sempre sinto sua falta - até mesmo quando está comigo - e que por incrível que pareça, me sinto livre quando te pertenço. Não quero outros, nem te deixar. Você é minha paz, onde encontrei abrigo, mas não pode ser.
Então eu choro todas as noites por não poder te explicar que minha carga é pesada demais, amarga demais. Por não poder dividir tudo com você. Não posso fazer isso com você.
Porque te amo, sofro sozinha, e te digo "me desculpe, eu não sei".
Não sei o que se passa. Não sei porquê é assim. Não sei.
O amor é tudo em que eu acredito na vida. O único motivo que me faz abrir os olhos todas as manhãs.
Isso é responsabilidade demais, por isso não é possível.
O amor é minha cura.
E você é o meu amor.
Então me desculpa.
Não é você, sou eu.
É o que você representa pra mim.
É o que eu sinto por você.
É a expectativa e toda essa minha loucura.
É essa provocação minha em te fazer querer que todo o seu mundo seja eu.
Porque tudo pra mim é você.
Perdi o controle, estou afundando de novo. E não posso morrer só porque você não vem me salvar.
Eu só não estou bem. E apesar de dizer que não esperava que você entendesse, esperei a vida toda que você, meu amor, pudesse entender e estar comigo, e ficar comigo, e ser pra mim.
Ser para mim.
Eu não sei amar. Essa é a minha maldição.
Então me desculpa.



terça-feira, 1 de outubro de 2013

Negligência




Às vezes sinto como se minha existência não dependesse de fato de mim. 
Talvez não dependa mesmo.
Sabe... não sei.
Parece que alguém, em algum lugar, joga os dados por nós.

Um escape talvez. É bom se fazer livre das culpas de vez em quando.
Mas se tudo colaborasse, talvez fosse diferente.

Talvez.

Talvez não. 
Minha vida não pode depender de mim.
Não tenho capacidade pra isso. 
 Eu renuncio. 
Não quero essa incumbência de ser feliz. 
 Quero não ser.
Quem sabe assim, seria.