terça-feira, 3 de dezembro de 2013


Era terça
 Não chovia
O dia nem parecia
Tão mau assim.

Ela não se queixava
Apenas dizia
Que não se encaixava.

Parecia até bem:
Das crenças de todos,
Fazia desdém.

"Estava tudo bem"
Mas ela era refém
 De uma dor que não falava

Não podiam entender
A falta que fazia,
O vazio que sentia,
Todo esse vai e vem...

Da vida que faltava,
À vida que se ia

Assim foi o fim,
E isso ninguém sabia.

domingo, 20 de outubro de 2013

Gostaria que pudesse entender a dor que carrego no peito.
Não por egoísmo, queria que pudesse entender sem sentir, mas não me parece possível.
Vira e mexe eu perco tudo, toda essa certeza e auto afirmação que exalo - e na verdade não tenho. Tudo sai do lugar, a visão embaça e eu retorno à confusão - de onde nunca saí.
Não sei o que te dizer, não sei como agir; não quero te machucar. Não quero me machucar. Não quero machucar a gente.
Sei que te arranco o sono. Sei que não tem paciência e acha infantilidade. Sei que não entende. E é por isso que bato o joelho na cama todos os dias.
E é por isso que choro. É por isso que digo que minha vida inteira é uma dor.
E você acha que não me importo. Que faço por mal. Mal sabe que sofro. Sofro por não saber não ser o que sou.
Eu queria mudar. Queria ser diferente. Queria não ser. Entende?
Como eu, logo eu, poderia fazer bem pra você? Não poderia. Não posso. Mas queria.
E tentar me machuca. Te ilude e me machuca. Porque eu sei que no fim, nada muda.
E embora você faça tudo parecer uma manhã de natal, aqui dentro é frio e vazio.
De qualquer forma, eu só queria que soubesse que eu sempre sinto sua falta - até mesmo quando está comigo - e que por incrível que pareça, me sinto livre quando te pertenço. Não quero outros, nem te deixar. Você é minha paz, onde encontrei abrigo, mas não pode ser.
Então eu choro todas as noites por não poder te explicar que minha carga é pesada demais, amarga demais. Por não poder dividir tudo com você. Não posso fazer isso com você.
Porque te amo, sofro sozinha, e te digo "me desculpe, eu não sei".
Não sei o que se passa. Não sei porquê é assim. Não sei.
O amor é tudo em que eu acredito na vida. O único motivo que me faz abrir os olhos todas as manhãs.
Isso é responsabilidade demais, por isso não é possível.
O amor é minha cura.
E você é o meu amor.
Então me desculpa.
Não é você, sou eu.
É o que você representa pra mim.
É o que eu sinto por você.
É a expectativa e toda essa minha loucura.
É essa provocação minha em te fazer querer que todo o seu mundo seja eu.
Porque tudo pra mim é você.
Perdi o controle, estou afundando de novo. E não posso morrer só porque você não vem me salvar.
Eu só não estou bem. E apesar de dizer que não esperava que você entendesse, esperei a vida toda que você, meu amor, pudesse entender e estar comigo, e ficar comigo, e ser pra mim.
Ser para mim.
Eu não sei amar. Essa é a minha maldição.
Então me desculpa.



terça-feira, 1 de outubro de 2013

Negligência




Às vezes sinto como se minha existência não dependesse de fato de mim. 
Talvez não dependa mesmo.
Sabe... não sei.
Parece que alguém, em algum lugar, joga os dados por nós.

Um escape talvez. É bom se fazer livre das culpas de vez em quando.
Mas se tudo colaborasse, talvez fosse diferente.

Talvez.

Talvez não. 
Minha vida não pode depender de mim.
Não tenho capacidade pra isso. 
 Eu renuncio. 
Não quero essa incumbência de ser feliz. 
 Quero não ser.
Quem sabe assim, seria.

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Tentação

E se um dia, fôssemos só nossos e de nós mesmos?
E se todos os sonhos se realizassem?
Se tudo fosse riso, você viveria pra sempre comigo?
Quero fazer da tua vida paraíso.

Eu te levarei, pra lugar nenhum. Fugiremos, em círculos.

Meu coração é vazio, alugo para temporadas.
Não vai te custar caro,
Se você tiver com o que pagar.
Não me deixe fugir,
Eu não quero te escapar.
Não segure tua onda,
Deixe estar.

Nem pra sempre, nem perfeição.
Eu carrego essa maldição.
O errado me cai bem,
Você vai cair também.
Para isso não tem solução,
Mas eu te tenho na palma da mão.

Sei que desses laços, você pode se soltar,
Mas agora me diz,
Você quer mesmo me deixar?

sexta-feira, 24 de maio de 2013


               Todos perguntavam o motivo de seu pranto e ao ouvirem a resposta, diziam que ninguém chora por nada.
               
                ''Eu não tenho nada.'' - repetia ela.



E de fato, nunca teve.


sábado, 12 de janeiro de 2013

Entenda se puder.

Eu queria ir com você, pra onde quer que fosse.
Queria poder te seguir e te guiar. Mas não.
É uma droga isso de ter que decidir, ter que fazer isso ou aquilo, não poder ser tudo, não poder ser nada.

Quero ficar, mas quero ir com você - simultâneamente.
Quero te prender em mim mas quero te deixar livre pra escolher.
Quero que escolha bem; mas o bem é relativo. Ou talvez não seja, não sei, talvez nem queira.

Que as tuas mãos sejam leves para acariciar; mas nem tanto.
Que tenha boa aparência; mas não muita.
E ainda que saiba dançar, só que não muito bem.

Eu sei o que quero de ti. Te quero inteiro, assim, por nada.
Também gosto das nossas metades e dos seus "inacabados",
quero esse teu nada - que significa tudo.
Talvez eu te queira mal, talvez não saiba como te quero.

Só sei que te quero bem.

(2011)

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Calma. Respira. A vida não é tão dura assim. O que de pior pode nos acontecer, além de que o pior sempre pode nos acontecer? Calma, menina. A vida não é tão dura assim.
Aproveita. Aproveita o que tem. Se não tem nada, aproveita também.
Todo tempo é bom, tudo é proveitoso.
O passado não existe, muito menos o futuro. O futuro é hoje. O futuro é todos os dias. Não há motivo para preocupação.
Tudo é tão breve, o tempo todo. Piscou, não viu? - Acabou. Aproveita enquanto pode. Aproveita a vida, enquanto tem.
Agora respira fundo e continua, algo maravilhoso está pra acontecer. Precisamos sobreviver pra saber como essa história termina.